Michel Gondry e suas versões “suecadas”

michel_gondry_image__1_1-400x267
michel_gondry_image__1_1-400x267

 

Michel Gondry é um dos diretores mais criativos da nova geração são dele: o espetacular “Brilho Eterno de uma mente sem lembrança”, o sensível, com stop motion, “Ciência do sono” e maluco “Rebobine, Por favor”. É claro que ele errou a mão na sua primeira tentativa de alcançar um publico maior com “Besouro verde”. Mas diretor quando se envolve em projetos pessoais é sempre sinônimo de filmes diferentes e únicos.

 

 

Esse post não é sobre a carreira dele, um post sobre isso a de vir com calma. Mas esse post é uma espécie de achados e perdidos com algumas brincadeiras do diretor.

 

No caso versões de trailer “suecados” (ou seja, uma parodiadas toscas em cima dos trailers originais). O termo “suecado” vem do filme do diretor “Rebobine, Por favor” onde os protagonistas têm que refilmar os clássicos da locadora (no filme Robocop, Hora do Rush, Conduzindo Miss Daisy, etc), sem nenhum dinheiro para salva-la da falência depois que todas as fitas são apagas depois de acidente eletromagnético. E para enganar os clientes eles dizem que os filmes são versões alternativas feitas na Suécia. Logo os filmes são “suecados”.

 

Então quando diretor produz e dirige seu novo filme “The We & The I” ele de quebra vem brincando de cineasta amador e construindo pequenas paródias trash coisa que ele já mostrou que ama de verdade. Uma vez que ele conhecido como mestre dos efeitos especiais orgânicos e caseiros.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Protected by WP Anti Spam