NORMAN BATES E O COMPLEXO DE ÉDIPO

11244736_665994716878405_3307196511985500104_o

Por:Letícia Barra

11244736_665994716878405_3307196511985500104_o

Norman Bates vive uma psicose profunda, isso se pode observar através de seu olhar, gestos e principalmente pelas suas atitudes. A psiquiatria conceitua esse comportamento de dualidade como Despersonalização do Eu, mas analisaremos através do olhar psicológico utilizando da teoria de Freud, mais necessariamente do Complexo de Édipo “mal resolvido” do personagem.

O pai de Norman faleceu quando ele tinha apenas cinco anos, onde ainda estava vivenciando a fase fálica. O Complexo de Édipo se caracteriza pelo amor excessivo ao sexo oposto e raiva pela figura do mesmo sexo. Nessa fase a criança se sente angustiada por ver que a figura com quem era completamente dependente – no caso de Norman, a sua mãe – não é apenas dele, não vive por ele, mas que existe outra pessoa – que nesse caso é o pai, com quem a mãe divide o seu amor, por isso advém a raiva. Mas, no final dessa fase a situação geralmente é resolvida e acontece a cisão com a figura oposta, que o genitor do mesmo sexo intermediará, mas isso não acontece com Norman. Pela morte de seu pai, a dependência com a sua mãe aumenta e ele se une completamente a ela. Norman e sua mãe viveram uma relação de dependência muito grande durante a infância do Norman, sua mãe era uma pessoa muito rígida e não se identificava com outras mulheres.

11200585_665995150211695_3794563346343919477_n

Depois de um tempo a sua mãe começa a viver um relacionamento com um homem e a raiva de Norman cresce absurdamente, onde faz a psicose acentuar em sua mente, causando a atitude de assassinato de sua mãe e de seu padrasto. Para não sentir remorso desenterra o corpo de sua mãe e o leva para a sua casa, vivendo com ele. Ele começa a viver uma dualidade muito grande, usando do mecanismo de defesa, a negação. Essa negação da morte de sua mãe é tão grande que ele age como se ela ainda estivesse viva, trazendo ela para a sua mente, emitindo falas de sua mãe através de si, vestindo como ela e até mesmo conversando com ela.

Com a chegada de Marion no Bates Motel, a personalidade de sua mãe dentro de si fica mais acentuada. Norman se sente fortemente atraído por Marion, mas se sente culpado por esse desejo, porque sua mãe não gostaria que ele sentisse isso e pela raiva excessiva que criou por outras mulheres – esta que surgiu através do controle de onipotência de sua mãe, transferindo esse conceito a todas as outras mulheres, com exceção de sua mãe. Com isso a mãe que se encontra dentro de si acaba assassinando Marion.

10985249_665995173545026_6343385271197346139_n

Após esse episódio, a sua mãe se instala completamente em sua personalidade – sendo que até esse momento ele ainda vivia a metade de sua personalidade – causando um quadro grave de psicose. Através da história de Norman, podemos verificar a importância de viver o Complexo de Édipo de forma correta e mesmo na ausência de uma das figuras genitoras nessa fase, é importante substituí-la de alguma forma ou conseguir fazer essa cisão de forma com que a criança consiga separar a personalidade da figura do sexo oposto de sua própria personalidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Protected by WP Anti Spam